Skip to content
Calcário PDF Imprimir E-mail
Seg, 02 de Setembro de 2013 00:00
Autores: Elisa Fernandes ( Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. )

Os calcários são rochas sedimentares formadas por precipitados químicos e acumulação de conchas ou restos de microorganismos marinhos ricos em carbonato de cálcio e magnésio, principalmente. No estado do Rio de Janeiro, atualmente as rochas exploradas para a produção de cimento são mármores calcíticos e para uso como corretivos de solos são os mármores dolomíticos. Estas rochas carbonatadas foram geradas pelo metamorfismo (transformação físico-química a altas temperaturas e pressão) dos calcários. Pelo exposto, usamos o nome “calcário” para designar os mármores calcíticos e dolomíticos explorados no ERJ devido ao termo ser amplamente disseminado no setor.

Em Cantagalo e região, o mármore (calcário) lavrado para suprir a indústria cimenteira tem mantido sua importância, representando 8% da produção nacional (Prefeitura de Cantagalo, 2012), isso devido à existência de grandes reservas, ao seu alto teor de calcita e, principalmente, à demanda crescente.
Na região de Italva, Noroeste Fluminense, a exploração de mármore teve o seu início em 1917 com a indústria de calcinação para a obtenção de cal virgem. O mármore de Italva foi também viabilizado para outros dois tipos distintos de aproveitamento econômico: como rochas ornamentais e de revestimento, com alto valor agregado, e mármore dolomítico, como matéria prima para a produção de corretivo de acidez de solo para uso na agricultura.

Atualmente, a proporção de utilização do calcário agrícola, no Brasil, é de menos da metade do que seria recomendado e o aproveitamento de mármore ornamental encontra-se estagnado devido à falta de investimentos na implantação de plantas de beneficiamento mais modernas. Em termos de potencial econômico para o aproveitamento de rochas carbonáticas no ERJ, há uma nítida divisão que podemos chamar grosseiramente de setores Norte e Sul. No setor Norte, com início na região de Cantagalo e se estendendo até Bom Jesus do Itabapoana, ocorrem lentes de mármores, algumas vezes na escala de alguns poucos quilômetros e mais enriquecidas em calcitas. No Sul, as lentes de mármores são menores, mais dispersas e com química mineral menos favorável ao aproveitamento industrial, relativamente aos produtos existentes atualmente. A figura a seguir caracteriza o arranjo espacial da divisão ora proposta, assim como indica as principais ocorrências e polos de aproveitamento econômico das rochas carbonáticas no ERJ.

As reservas de rochas carbonáticas do ERJ são muito importantes devido ao fato de sua produção ser 100% consumida em seu próprio território. Entretanto, a demanda é tão grande que a produção só consegue atender 75% do mercado, enquanto que os outros 25% são provenientes de outros estados (Minas Gerais e São Paulo, principalmente)
O calcário apresenta uma grande variedade de usos, tais quais: matéria prima para a construção civil, matéria prima para a fabricação de cal e cimento, corretivos de solos ácidos, ingredientes na indústria de papel, plásticos, química, siderúrgica, de vidro; refratários e outros. Ainda assim, o calcário representa um produto relativamente barato, exceto em suas formas beneficiadas mais sofisticadas, de valor agregado elevado. Os preços médios de comercialização têm sido de apenas R$5,39 por tonelada (produção bruta), a R$ 11,31 por tonelada (produção beneficiada), o que implica que os custos de logística, comercialização e outros, são especialmente importantes em relação ao calcário.
Com base nos dados do Anuário Mineral Brasileiro (DNPM, 2010), no CAM/DRM-RJ e nas pesquisas bibliográficas sobre o mercado de rochas carbonáticas (mármores/calcários) no ERJ, as seguintes informações podem ser apresentadas:
  • As Reservas Minerais são da ordem de 2,1 bilhões de toneladas, sendo que desse total 685 milhões são lavráveis;
  • A Produção Bruta de Minério (ROM) em 2011 foi de 3.045.444t.
 TABELAS: INDICADORES SOCIO ECONÔMICOS DA MINERAÇÃO DE CALCÁRIO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Calcário para produção de corretivos de solo em Italva (RJ) – Valores referentes ao ano de 2011.
Nº Empresa Produção(t) Valor da Produção (t) Mão de Obra
1 152.405 7,76 8

Calcário para produção de cimento em Cantagalo (RJ) – Valores referentes ao ano de 2011.
Nº Empresa Produção(t) Valor da Produção (t) Mão de Obra
3 2.893.039 7,33 248

Clique no mapa para ampliar


 

Acesso Rápido

Siga-nos em nossas redes sociais